Convergência aplicada ao controle de concentrações brasileiro um histórico bem sucedido da lei n.º 12.529/2011

Conteúdo do artigo principal

Jéssica Gusman Gomes
Daniel Jacomelli Hudler

Resumo

Contextualização. Decisões unilaterais de autoridades concorrenciais sobre operações empresariais podem gerar entendimentos conflitantes. Neste passo, impõe-se o estudo de formas para dirimir entendimentos conflitos no contexto do Direito Concorrencial.


Objetivo. Verificar a possibilidade de incorporação ao contexto brasileiro dos conceitos de convergência, critérios e das práticas internacionais sobre notificação de atos de concentração


Método. Hipotético-dedutivo apoiado pela pesquisa revisional bibliográfica e documental.


Resultados: A análise demonstrou que no Brasil, a partir da Lei n.º 12.529/2011, inspirada nas experiências americana e europeia, endereçou pontos do regime de controle de concentrações para alinhá-lo às recomendações da OCDE e da ICN – como o aperfeiçoamento do teste substancial adotado, a adoção de critérios objetivos de notificação, e a modificação do timing para submissão e análise pelo CADE.


Conclusões. A política de controle de concentrações brasileira é moderna, desenvolvida e alinhada com as práticas internacionais atuais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
GOMES, J. G.; HUDLER, D. J. Convergência aplicada ao controle de concentrações brasileiro: um histórico bem sucedido da lei n.º 12.529/2011. Revista de Defesa da Concorrência, Brasília, v. 10, n. 1, p. 62-86, 2022. DOI: 10.52896/rdc.v10i1.975. Disponível em: https://revista.cade.gov.br/index.php/revistadedefesadaconcorrencia/article/view/975. Acesso em: 9 dez. 2022.
Seção
10 anos da Lei 12.529/2011
Biografia do Autor

Jéssica Gusman Gomes, Universidade de Lisboa - Lisboa, Portugal

Mestranda em Direito e Economia pela Universidade de Lisboa com intercâmbio acadêmico na Université Catholique de Louvain. Especialista em Direito Processual Civil pela Faculdade de Direito Damásio de Jesus. Bacharel em Direito pela Universidade Presbiteriana Mackenzie.  Advogada com prática em Direito Concorrencial no Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados.

Daniel Jacomelli Hudler, Universidade Nove de Julho (UNINOVE-SP) – São Paulo/SP, Brasil

Doutorando em Direito Empresarial e Mestre em Direito pela Universidade Nove de Julho (UNINOVE-SP), ex-bolsista de pesquisa PROSUP/CAPES na área de concentração "Justiça, Empresa e Sustentabilidade". Especialista em Direito Processual Civil e Bacharel em Direito pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (MACKENZIE-SP). Ex-Editor assistente das revistas científicas Prisma Jurídico e Thesis Juris. Advogado em São Paulo. Experiência internacional pela Universidade da Coruña (UDC - Espanha) em Globalización & Empresa: una visión Europea e Università degli Studi di Roma "Tor Vergata". Membro Efetivo das Comissões de Infraestrutura/Desenvolvimento e Doutrina da OAB/SP. Pesquisador em Direito e Desenvolvimento; Empresas e Direitos Humanos; Economia e Direito; ASG (ESG).

Referências

ARRUDA, Vivian Anne Fraga do Nascimento; PINEDO, Paula; MONDECK, Luísa Pereira. Antitrust law & innovation: digital markets involving disruptive technology and antitrust analysis. In: MACEDO, Agnes et al (org.). Mulheres no Antitruste. São Paulo: Singular, 2018. p. 34-47. Disponível em: https://bit.ly/3vcdoXw. Acesso em: 06 fev. 2022.

BOTTA, Marco. Merger control regimes in emerging economies: a case study on Brazil and Argentina. Alphen Aan Den Rijn: Kluwer Law International, 2011.

BRASIL. Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). BRICS in the Digital Economy: Competition Policy in Practice. [S. l.: s. n .], 2019. Disponível em: https://cdn.cade.gov.br/Portal/centrais-de-conteudo/publicacoes/brics-in-the-digital-economy/brics-digital-economy-cade.pdf. Acesso em: 06 fev. 2022.

BRASIL. Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Guia para Análise de Atos de Concentração Horizontal. Brasília: CADE, 2016. Disponível em: http://www.cade.gov.br/acesso-a-informacao/publicacoes-institucionais/guias_do_Cade/guia-para-analise-de-atos-de-concentracao-horizontal.pdf/view. Acesso em: 06 fev. 2022.

BRASIL. Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Guia de Remédios Antitruste. Brasília: CADE, 2018. Disponível em: http://www.cade.gov.br/acesso-a-informacao/publicacoes-institucionais/guias_do_Cade/copy_of_GuiaRemd. Acesso em: 06 fev. 2022.

BRASIL. Conselho Administrativo de Defesa Econômica. Ato de Concentração n.º 0027/1995. K e S Aquisições Ltda. e Kolinos do Brasil S.A. Relatora: Conselheira Lucia Helena Salgado. Brasília, DF, 18 de setembro de 1996. Diário Oficial da União. Brasília, 27 set. 1999.

BRASIL. Conselho Administrativo de Defesa Econômica. Ato de Concentração n.º 08012.005846/1999-12. Companhia Antarctica Paulista Indústria Brasileira de Bebidas e Conexos. Companhia Cervejaria Brahma. Relatora: Conselheira Hebe Romano. Brasília, DF, 3 de março de 2000. Diário Oficial da União. Brasília, 11 abr. 2000.

BRASIL. Conselho Administrativo de Defesa Econômica. Ato de Concentração n.º 08012.001697/2002-89. Nestlé Brasil Ltda. Chocolates Garoto S.A. Relator: Conselheiro Thompson Almeida Andrade. Brasília, DF, 4 de fevereiro de 2004. Diário Oficial da União. Brasília, 10 fev. 2004.

BRASIL. Conselho Administrativo de Defesa Econômica. Ato de Concentração n.º 08012.002992/2004-14. Krone Internacional Holding, Inc. ADC Telecomunications, Inc. Relator: Conselheiro Roberto Augusto Pfeiffer. Brasília, DF, 19 de janeiro de 2005. Diário Oficial da União. Brasília, 24 fev. 2005.

BRASIL. Conselho Administrativo de Defesa Econômica. Ato de Concentração n.º 08700.001097/2017-49. Bayer Aktiengesellschaft. Monsanto Company. Relator: Conselheiro Paulo Burnier. Brasília, DF, 7 de fevereiro de 2018. Diário Oficial da União. Brasília, 16 fev. 2018. Voto do Conselheiro-Relator. Disponível em: https://sei.cade.gov.br/sei/modulos/pesquisa/md_pesq_documento_consulta_externa.php?DZ2uWeaYicbuRZEFhBt-n3BfPLlu9u7akQAh8mpB9yPgktJiAjvbD7pLY4_HQMtI-Q84uZ-Qlms8xziOzDMI6nMzuTq_SfG0jBqkOgpICgToWlJJc8G1_V0lkc_9wr0U. Acesso em: 06 fev. 2022.

BRASIL. Lei nº 8.884, de 11 de junho de 1994. Transforma o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) em Autarquia, dispõe sobre a prevenção e a repressão às infrações contra a ordem econômica e dá outras providências. Brasília, DF: Diário Oficial da União, 13 jun. 1994. Seção 1, p. 8437.

BRASIL. Lei nº 12.529, de 30 de novembro de 2011. Estrutura o Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência; dispõe sobre a prevenção e repressão às infrações contra a ordem econômica; altera a Lei nº 8.137, de 27 de dezembro de 1990, o Decreto-Lei nº 3.689, de 3 de outubro de 1941 - Código de Processo Penal, e a Lei nº 7.347, de 24 de julho de 1985; revoga dispositivos da Lei nº 8.884, de 11 de junho de 1994, e a Lei nº 9.781, de 19 de janeiro de 1999; e dá outras providências. Brasília, DF: Diário Oficial da União, 1 dez. 2011. Seção 1, p. 1.

BRASIL. Ministério da Fazenda. Portaria Conjunta SEAE/SDE nº 50, de 1 de agosto de 2001. Brasília: Ministério da Fazenda, 2001. Disponível em: http://www.cade.gov.br/assuntos/normas-e-legislacao/portarias/2001portariaconjunta50-1_guia_para_analise_economica_de_atos_de_concentracao.pdf/view. Acesso em: 06 fev. 2022.

BUDZINSKI, Oliver. The governance of global competition: competence allocation in international competition policy. Cheltenham: Edward Elgar Publishing, 2008.

CARVALHO, Vinicius Marques de; LIMA, Ticiana Nogueira da Cruz. A nova lei de defesa da concorrência brasileira: comentários sob uma perspectiva histórico-institucional. Publicações da Escola da AGU: a nova lei do CADE, Brasília, n. 19, p. 7-34, jul. 2012. Disponível em: https://seer.agu.gov.br/index.php/EAGU/issue/view/74. Acesso em: 06 fev. 2022.

CARVALHO, Vinicius Marques de; SILVEIRA, Paulo Burnier da. A cooperação internacional na defesa da concorrência. Revista de Direito Internacional, Brasília, v. 10, n. 1, 2013, p. 97-103. Disponível em: https://www.publicacoesacademicas.uniceub.br/rdi/article/viewFile/2420/pdf. Acesso em: 06 fev. 2022.

CHENG, Thomas K. Convergence and its discontents: a reconsideration of the merits of convergence of global competition law. Chicago Journal of International Law, Chicago, v. 12, n. 2, p. 433-490, 2012. Disponível em: http://chicagounbound.uchicago.edu/cjil/vol12/iss2/4. Acesso em: 06 fev. 2022.

COMUNIDADE EUROPEIA (CE). Processo T210/01:General Electric Company Contra Comissão das Comunidades Europeias. Acórdão do Tribunal de Primeira Instância (Segunda Secção alargada) de 14 de Dezembro de 2005. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/?uri=CELEX:62001TJ0210. Acesso em: 21 abr. 2022.

COMUNIDADE EUROPEIA (CE). Regulamento (CE) n.º 139/2004 do Conselho, de 20 de janeiro de 2004, relativo ao controlo das concentrações de empresas, J.O. L 24, de 29.1.2004.

DANTAS, Iuri. Com nova proposta, Cade volta a julgar Nestlé-Garoto 12 anos depois de reprovar operação. Jota, 20 maio 2016. Disponível em: https://www.jota.info/tributos-e-empresas/concorrencia/com-nova-proposta-cade-volta-julgar-nestle-garoto-12-anos-depois-de-reprovar-operacao-20052016. Acesso em: 06 fev. 2022.

DAVIES, John; CAPOBIANCO, Antonio; ENNIS, Sean F. Implications of globalisation for competition policy: the need for international cooperation in merger and cartel enforcement. E15Initiative, Genebra, jan. 2016. Disponível em: http://e15initiative.org/publications/implications-of-globalisation-for-competition-policy-the-need-for-international-cooperation-in-merger-and-cartel-enforcement/. Acesso em: 06 fev. 2022.

EZRACHI, Ariel. Merger control and cross-border transactions: a pragmatic view on cooperation, convergence and what is in between. In: MARSDEN, Philip (Ed.). Handbook of research in Trans-Atlantic antitrust. Cheltenham: Edward Elgar Publishing, 2006. p. 622-640.

FORGIONI, Paula A. Os fundamentos do antitruste. 4. ed. rev., atual., e ampl. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2010.

FORGIONI, Paula A. Os fundamentos do antitruste. 8. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2015.

FOX, Eleanor M. Mergers in Global Markets: GE/Honeywell and the Future of Merger Control. University of Pennsylvania Journal of International Law, v. 23, n. 3, p. 457-468, 2002. Disponível em: https://scholarship.law.upenn.edu/cgi/viewcontent.cgi?article=1279&context=jil. Acesso em: 06 fev. 2022.

FUSÃO de Nestlé e Garoto pode voltar ao Cade. 2018. Exame, São Paulo, 20 set. 2018. Disponível em: https://exame.abril.com.br/negocios/fusao-de-nestle-e-garoto-pode-voltar-ao-cade/. Acesso em: 06 fev. 2022.

GERBER, David J. Global Competition: Law, Markets, and Globalization. Oxford: Oxford University Press, 2010.

HELD, David; MCGREW, Anthony. The global transformations reader. 2. ed. Cambridge: Polity Press, 2003.

HOLLMAN, Hugh M.; KOVACIC, William E. The International Competition Network: its past, current and future role. In: LUGARD, Paul (ed.). The International Competition Network at Ten: origins, accomplishments and aspirations. Cambridge: Intersentia, 2011. p. 51-91.

INTERNATIONAL COMPETITION NETWORK (ICN). Recommended practices for merger notification and review procedures (2002-2018). 2018b. Disponível em: https://www.internationalcompetitionnetwork.org/wp-content/uploads/2018/09/MWG_NPRecPractices2018.pdf. Acesso em: 06 fev. 2022.

INTERNATIONAL COMPETITION NETWORK (ICN). Setting notification thresholds for merger review. Kyoto: International Competition Network, 2008. Disponível em: https://www.internationalcompetitionnetwork.org/wp- content/uploads/2018/05/MWG_SettingMergerNotificationThresholds.pdf. Acesso em: 06 fev. 2022.

INTERNATIONAL COMPETITION NETWORK (ICN). What is the ICN? 2018a. Disponível em: https://www.internationalcompetitionnetwork.org/about/. Acesso em: 06 fev. 2022.

JANOW, Merit E.; RILL, James F. The origins of the ICN. In: LUGARD, Paul (ed.). The International Competition Network at Ten: origins, accomplishments and aspirations. Cambridge: Intersentia, 2011. p. 21-37.

JENNY, Frédéric. Substantive convergence in merger control: an assessment. Concurrences Review, v. 1, p. 21-41, jan. 2015. Disponível em: https://www.concurrences.com/en/review/issues/no-1-2015/law-economics/substantive-convergence-in-merger-control-an-assessment. Acesso em: 06 fev. 2022.

KAMPOURIDI, Ioulia. Arguments for the EU-US convergence and against a global merger control regime. World Competition, v. 38, n. 1, p. 107-132, 2015.

MATTOS, César Costa Alves de. Um pouco da história da Lei 12.529/2011. In: CAMPILONGO, Celso; PFEIFFER, Roberto (org.). Evolução do antitruste no Brasil. São Paulo: Singular, 2018. p. 39-52.

MONTI, Mario. EU competition policy after May 2004. Fordham Annual Conference on International Antitrust Law and Policy. Nova York, 24 out. 2003. Disponível em: https://europa.eu/rapid/press-release_SPEECH-03-489_en.htm. Acesso em: 06 fev. 2022.

OLIVEIRA, Gesner; FUJIWARA, Thomas. Competition policy in developing economies: the case of Brazil. Northwestern Journal of International Law & Business, Chicago, v. 26, n. 3, p. 619-642, 2006. Disponível em: https://scholarlycommons.law.northwestern.edu/cgi/viewcontent.cgi?article=1637&context=njilb. Acesso em: 06 fev. 2022.

ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT (OECD). Competition Law and Policy in Brazil: a peer review. Paris: OECD Publications, 2005. Disponível em: http://www.oecd.org/daf/competition/35445196.pdf. Acesso em: 06 fev. 2022.

ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT (OECD). Competition law and policy developments in Brazil. OECD Journal of Competition Law and Policy: Competition and regulatory reform, Paris, v. 2, n. 3, p. 181-232, out. 2000. Disponível em: https://read.oecd-ilibrary.org/governance/oecd-journal-competition-law-and-policy/volume-2/issue-3_clp-v2-3-en. Acesso em: 06 fev. 2022.

ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT (OECD). Definition of transaction for the purpose of merger control review. Paris: OECD Publications, 2013. Disponível em: https://www.oecd.org/daf/competition/Merger-control-review-2013.pdf. Acesso em: 06 fev. 2022.

ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT (OECD). INTERNATIONAL COMPETITION NETWORK (ICN). Report on International Co-operation in Competition Enforcement. Paris: OECD Publications, 2021. Disponível em: https://www.oecd.org/daf/competition/OECD-ICN-Report-on-International-Co-operation-in-Competition-Enforcement.pdf. Acesso em: 21 abr. 2022.

ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT (OECD). Competition Law and Policy in Brazil: a peer review. Paris: OECD Publications, 2010. Disponível em: https://www.oecd.org/daf/competition/45154362.pdf. Acesso em: 06 fev. 2022.

ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT (OECD). OECD Peer Reviews of Competition Law and Policy: Brazil. Paris: OECD Publications, 2019. Disponível em: www.oecd.org/daf/competition/oecd-peer-reviews-of-competition-law-and- policy-brazil-2019.htm. Acesso em: 06 fev. 2022.

ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT (OECD). Report on country experiences with the 2005 OECD Recommendation on Merger Review. Paris: OECD Publications, 2013. Competition Policy Roundtables. Disponível em: https://www.oecd.org/daf/competition/ReportonExperienceswithMergerReviewRecommendation.pdf. Acesso em: 06 fev. 2022.

RIBEIRO, Eduardo Pontual. Economic analysis in antitrust: the case of Brazil. In: JENNY, Frederic; KATSOULACOS, Yannis (ed.). Competition law enforcement in the BRICS and in developing countries: legal and economic aspects. Basileia: Springer International Publishing, 2016. p. 207-221.

ROBERTSON, Kyle. One law to control them all: international merger analysis in the wake of GE/Honeywell. Boston College International and Comparative Law Review, Boston, v. 31, n. 1, p. 153-167, 12 jan. 2008. Disponível em: http://lawdigitalcommons.bc.edu/iclr/vol31/iss1/8. Acesso em: 06 fev. 2022.

ROQUE, Daniel Gustavo Santos. A notificação obrigatória dos atos de concentração no Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência: principais mudanças advindas do início de vigência da Lei nº 12.529/2011. Publicações da Escola da AGU: a nova lei do Cade, Brasília, n. 19, p. 51-106, jul. 2012. Disponível em: https://seer.agu.gov.br/index.php/EAGU/issue/view/74. Acesso em: 06 fev. 2022.

SILVA, Miguel Moura e. Direito da Concorrência. 2. ed. Lisboa: AAFDL, 2018.

TAUFICK, Roberto Domingos. Nova lei antitruste brasileira: avaliação crítica, jurisprudência, doutrina e estudo comparado. 2. ed. São Paulo: Almedina, 2017.

TODOROV, Francisco Ribeiro; TORRES FILHO, Marcelo Maciel. History of competition policy in Brazil: 1930-2010. The Antitrust Bulletin, v. 57, n. 2, p. 207-257, set. 2012. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/pdf/10.1177/0003603X1205700202. Acesso em: 06 fev. 2022.

UNITED STATES. Agreement between the Government of the United States of America and the Commission of the European Communities regarding the application of their competition laws. OJ L 95, 27.4.1995, p. 47-52. Aprovado por decisão do Conselho e da Comissão de 10 de abril de 1995 (95/145/EC, ECSC). United States: Government of the United States, 1995. Disponível em: https://bit.ly/3Kh8qNw. Acesso em: 06 fev. 2022.

UNITED STATES. Department of Justice (DOJ). Range Effects: The United States Perspective. 2021. Disponível em: https://www.justice.gov/sites/default/files/atr/legacy/2015/01/26/9550.pdf. Acesso em: 21 abr. 2022

US-EU MERGER WORKING GROUP. Best Practices on Cooperation in Merger Investigations. 2011. Disponível em: https://www.ftc.gov/system/files/111014eumerger.pdf. Acesso em: 06 fev. 2022.

VESTAGER, Margrethe. Refining the EU merger control system. Studienvereinigung Kartellrecht: Bruxelas, 2016. Disponível em: https://bit.ly/3rPyMjp. Acesso em: 06 fev. 2022.

VISSER, Bram. The Facebook/WhatsApp merger case: European Commission’s lucky break or proof of impermeable system of merger control.? 2017. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/326059828_The_FacebookWhatsApp_merger_case_European_Commission’s_lucky_break_or_proof_of_impermeable_system_of_merger_control. Acesso em: 06 fev. 2022.