A arbitragem no controle de estruturas como mecanismo de reforço ao monitoramento do Cade: cabimento e vinculação da autarquia

Conteúdo do artigo principal

Mariana Hofmann Fuckner

Resumo

Contextualização: Desde 2014, o CADE (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) tem se utilizado de procedimento denominado arbitragem como mecanismo de reforço ao monitoramento do cumprimento das condições assumidas pelas compromissárias em acordos em controle de concentração para a aprovação da operação.


 


Objetivo: O presente estudo busca analisar as características dos procedimentos arbitrais estabelecidos nos acordos em controle de concentração no âmbito do controle estrutural realizado pelo CADE, principalmente quanto à previsão de não vinculação da autarquia às decisões proferidas pelo árbitro.


 


Método: O trabalho parte da análise dos acordos em que a arbitragem foi inserida como método de reforço do monitoramento para questionar a viabilidade de se optar pela inserção do procedimento arbitral previsto pela Lei nº. 9.307/96, confrontando o conteúdo desses acordos com o entendimento doutrinário acerca da matéria.


 


Conclusões: Os resultados apontam que a decisão acerca do cumprimento das condições assumidas nos acordos deve ser tomada no exercício da atividade administrativa pelo CADE, com fulcro no poder de polícia concorrencial indelegável que lhe foi concedido por Lei. A existência de incompatibilidades entre o exercício da atividade administrativa e a natureza jurisdicional da arbitragem também contribui para a inadequação da previsão da arbitragem da Lei nº. 9.307/96 como mecanismo de reforço ao monitoramento exercido pelo Cade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
HOFMANN FUCKNER, M. A arbitragem no controle de estruturas como mecanismo de reforço ao monitoramento do Cade:: cabimento e vinculação da autarquia. Revista de Defesa da Concorrência, Brasília, v. 10, n. 2, p. 137-162, 2022. DOI: 10.52896/rdc.v10i2.999. Disponível em: https://revista.cade.gov.br/index.php/revistadedefesadaconcorrencia/article/view/999. Acesso em: 28 jan. 2023.
Seção
Revista de Defesa da Concorrência
Biografia do Autor

Mariana Hofmann Fuckner, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba, PR, Brasil.

Graduada em Direito pela Universidade Federal do Paraná. Integrante do Grupo de Pesquisa em Direito Societário Aplicado da UFPR (DSA-UFPR). Integrante da Comissão de Recuperação Judicial e Falência e da Comissão de Direito Cooperativo da OAB/PR. Associada do Instituto Prof. Assis Gonçalves de Direito Empresarial e Cooperativo. Advogada no Assis Gonçalves, Kloss Neto e Advogados Associados. Curitiba, Paraná. E-mail: marianahf@agkn.com.br.

Referências

AMARAL, Paulo Osternack. Arbitragem no âmbito das agências reguladoras. Revista de Direito Administrativo Contemporâneo, São Paulo, v. 2, n. 7, p. 119-125, abr. 2014.

ARAGÃO, Alexandre Santos de. Arbitragem e regulação. Revista de Arbitragem e Mediação, São Paulo, v. 27, p. 70-102, out./dez. 2010.

ARAGÃO, Alexandre Santos de. Serviços públicos: regulação para concorrência. In: GUERRA, Sérgio (coord.). Temas de direito regulatório. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 2004.

BACHA, Maria Gabriela Castanheira. Função do CADE no controle de estruturas: uma análise dos acordos em controle de concentração. Revista do IBRAC, São Paulo, v. 23, n. 2, p. 432-447, 2017

BRASIL. Conselho Administrativo de Defesa Econômica. Ato de Concentração nº. 08700.000344/2014-47. Relatora: Ana Frazão, 10 de dezembro de 2014.

BRASIL. Conselho Administrativo de Defesa Econômica. Ato de Concentração nº. 08700.005719/2014-65. Relator: Gilvandro Vasconcelos Coelho de Araujo, 25 de fevereiro de 2015.

BRASIL. Conselho Administrativo de Defesa Econômica. Ato de Concentração nº. 08700.004211/2016-10. Relator: João Paulo de Resende, 03 de março de 2017a.

BRASIL. Conselho Administrativo de Defesa Econômica. Ato de Concentração nº. 08700.004860/2016-11. Relator: Cristiane Alkmin Junqueira Schmidt, 22 de março de 2017b.

BRASIL. Conselho Administrativo de Defesa Econômica. Ato de Concentração nº. 08700.001390/2017-14. Relator: Gilvandro Vasconcelos Coelho de Araujo, 18 de outubro de 2017c.

BRASIL. Conselho Administrativo de Defesa Econômica. Regimento Interno do CADE. Brasília: Conselho Administrativo de Defesa Econômica, 2021.

BRASIL. Lei nº 9.307, de 23 de setembro de 1996. Dispõe sobre a arbitragem. Brasília: Presidência da República, 1996.

BRASIL. Lei nº 12.529, de 30 de novembro de 2011. Estrutura o Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência; [...] e dá outras providências. Brasília: Presidência da República, 2011.

CARMONA, Carlos Alberto. Arbitragem e processo: um comentário à Lei n. 9.307/96. 3. ed. rev. atual. ampl. São Paulo: Atlas, 2009.

CASTRO, Ramsés Maciel de. Controle dos atos de concentração de empresas no Brasil. São Paulo: Letras Jurídicas, 2014.

CAVALCANTI, Rodrigo de Camargo. Acordos em controle de concentrações e o instituto da arbitragem. Revista de Defesa da Concorrência, Brasília, v. 3, n. 2, p. 28-45, nov. 2015.

DUTRA, Pedro. Concorrência em mercado regulado: A ação da ANP. Revista de Direito Administrativo, Rio de Janeiro, v. 229, p. 332-359, jul./set. 2002.

FIGUEIRA JÚNIOR, Joel Dias. Arbitragem. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2019.

FORGIONI, Paula. Os fundamentos do antitruste. 9. ed. rev. atual. ampl. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2016.

FRAZÃO, Ana. Direito da concorrência: pressupostos e perspectivas. São Paulo: Saraiva, 2017.

HAJAR, Yasmine Nemer. A arbitragem como remédio antitruste para o controle de estruturas. 2018. Monografia (Graduação em Direito) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2018.

JUSTEN FILHO, Marçal. Curso de direito administrativo. 4. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2016. Livro eletrônico.

KLEIN, Alice Lícia. Exercício de atividades de polícia administrativa por entidades privadas. 2014. Tese (Doutorado em Direito) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

MARQUES NETO, Floriano de Azevedo. A contratação de empresas para suporte da função reguladora e a “indelegabilidade do poder de polícia”. Revista Trimestral de Direito Público, São Paulo, n. 32, p. 65-82, 2000.

MARRARA, Thiago. Acordos no direito da concorrência. In: OLIVEIRA, Gustavo Henrique Justino de (coord.); BARROS FILHO, Wilson Accioli (org.). Acordos administrativos no Brasil: teoria e prática. São Paulo: Almedina, 2020.

MELLO, Celso Antônio Bandeira de. Curso de direito administrativo. 8. ed. São Paulo: Malheiros, 1996.

NOHARA, Irene. Direito administrativo. 10. ed. São Paulo: Atlas, 2020.

ORGANIZAÇÃO PARA COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO (OCDE). Policy Roundtables: Remedies in Merger Cases. Paris: OCDE, 2012.

OLIVEIRA, Gustavo Justino de. Os acordos administrativos na dogmática brasileira contemporânea. In: MOREIRA, Antônio Júdice et al. (coord.). Mediação e arbitragem na Administração Pública: Brasil e Portugal. São Paulo: Almedina, 2020. p. 103-113.

RIBEIRO, Márcia Carla Pereira; FELIPPE, Juliana Gil. Remédios do antitruste e efetividade do direito concorrencial. Revista de Análise Econômica do Direito, São Paulo, v. 1, jan./maio 2021.

SALOMÃO FILHO, Calixto. Direito concorrencial: as estruturas. 2. ed. São Paulo: Malheiros, 2002.

SILVEIRA, Paulo Burnier da. Direito da concorrência. Rio de Janeiro: Forense, 2021.

TALAMINI, Eduardo. Arbitragem e a tutela provisória no Código de Processo Civil de 2015. Revista de Arbitragem e Mediação, São Paulo, ano 12, v. 46, p. 287-313, jul./set. 2015.

VAZ, Isabel. O Poder Judiciário e a aplicação da Lei antitruste. In: TEIXEIRA, Sálvio de Figueiredo (org.). Estudos em homenagem ao Ministro Adhemar Ferreira Maciel. São Paulo: Saraiva, 2001. p. 297-314.

VERÍSSIMO, Levi Borges de Oliveira. Análise da efetividade da arbitragem como meio de monitoramento de remédios antitruste na jurisprudência do CADE. Revista do IBRAC, São Paulo, v. 23, n. 2, p. 331-346, 2017.

WAMBIER, Luiz Rodrigues; TALAMINI, Eduardo. Curso avançado de processo civil: vol. I. 5. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2016. Livro eletrônico.

WAMBIER, Luiz Rodrigues. TALAMINI, Eduardo. Curso avançado de processo civil: vol. II. 5. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2016. Livro eletrônico.