O compromisso concorrencial dos programas de integridade das companhias do novo mercado

Conteúdo do artigo principal

Caroline Victor Soeiro Cabral
Caroline Da Rosa Pinheiro

Resumo

Contextualização: O artigo é fruto de um trabalho estruturado do grupo Empresa, Desenvolvimento e Responsabilidade (EDRESP), que no ano de 2020 avaliou os programas de integridade do segmento do Novo Mercado da B3 em diversos critérios, e, dentre eles, concorrência.


Objetivo: verificar a importância dada à matéria concorrencial como elemento de influência no funcionamento do mercado e enquanto standard assumido pelas empresas através de seus programas de integridade 


Método: pesquisa empírica, considerando que o trabalho se desenvolveu por meio da análise dos programas de integridade latu sensu das empresas do Novo Mercado, a partir da submissão, pelo próprio pesquisador, a um questionário estruturado - composto por perguntas cujas respostas foram pré-estabelecidas. No período definido de 15/01/2020 a 15/02/2020, foram submetidos à análise os dados dos programas de integridade de 142 (cento e quarenta e duas) Companhias, à época elencadas na listagem do Novo Mercado.


Resultados: Os resultados da análise de dados, resguardadas as limitações próprias à natureza desta pesquisa, a saber, o acesso integral aos dados das Companhias e às ações internas eventualmente empreendidas e não divulgadas por estas, demonstraram que, apesar da expectativa de que todas as empresas listadas no segmento do Novo Mercado contenham programas de integridade satisfatoriamente estruturados, os quais podem auxiliar na tutela da concorrência, os programas, aparentemente, falham ou em divulgar as políticas de forma completa ou em preencher todos os requisitos elencados e recomendados pelo CADE.


Conclusões: conclui-se que os programas de integridade, da forma como ora se apresentam ao público a partir dos sítios eletrônicos das Companhias do Novo Mercado da B3, apresentam conteúdo supostamente declaratório, que, a princípio, não vinculam os compromissos sustentados no programa de integridade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
CABRAL, C. V. S. .; DA ROSA PINHEIRO, C. O compromisso concorrencial dos programas de integridade das companhias do novo mercado. Revista de Defesa da Concorrência, Brasília, v. 10, n. 1, p. 159-177, 2022. DOI: 10.52896/rdc.v10i1.950. Disponível em: https://revista.cade.gov.br/index.php/revistadedefesadaconcorrencia/article/view/950. Acesso em: 11 ago. 2022.
Seção
Revista de Defesa da Concorrência
Biografia do Autor

Caroline Victor Soeiro Cabral, Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) - Juiz de Fora/MG, Brasil

Bacharel em Direito pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Pós-graduanda em Compliance e Integridade Corporativa pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MG). Advogada (OABMG207.030) atuante no setor privado em temas de Governança Corporativa e Compliance. Pesquisadora do Grupo de Pesquisa Empresa, Desenvolvimento e Responsabilidade (EDRESP) da Faculdade de Direito da UFJF desde 2018 – Presente.

Caroline Da Rosa Pinheiro, Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF)

Professora Adjunta do curso de Direito da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Doutora em Direito pela UERJ (linha de pesquisa: Empresa e Atividades Econômicas), Mestre pela Fundação Getúlio Vargas - FGV/Direito-Rio, Especialista em Advocacia Empresarial pela Universidade Gama Filho e Bacharel em Direito pela Universidade Cândido Mendes - Centro. Membro do Instituto Compliance Rio (ICRio), da Comissão Permanente de Direito Empresarial do Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB) e Membro das Comissões de Direito Empresarial e de Compliance da Ordem dos Advogados do Brasil do Rio de Janeiro (OAB-RJ); da Associação do Ensino do Direito (ABEDi) e do Conselho Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Direito (Conpedi). Coordenadora do Grupo de Pesquisa Empresa, Desenvolvimento e Responsabilidade (EDRESP) da Faculdade de Direito da UFJF. Tem experiência na área de Direito Empresarial, Contratual, Internacional e Marítimo.

Referências

B3. Estatuto Social da B3: Brasil, Bolsa, Balcão. São Paulo: B3, 2021. Disponível em: https://bit.ly/3vg3brW. Acesso em: 22 nov. 2021.

B3. Regulamento do Novo Mercado. São Paulo: Brasil, Bolsa, Balcão, 2017. Disponível em: https://bit.ly/3OhKIEn. Acesso em: 7 jan. 2021.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília: Presidência da República, 1988. Disponível em: https://bit.ly/2JEWHia. Acesso em: 7 jan. 2021.

BRASIL. Conselho Administrativo De Defesa Econômica. Programas de Compliance: Orientações sobre estruturação e benefícios da adoção dos programas de compliance concorrencial. Brasília: Conselho Administrativo de Defesa Econômica, 2016.

BRASIL. Decreto Regulamentador nº 8.420, de 18 de março de 2015. Regulamenta a Lei nº 12.846, de 1º de agosto de 2013, que dispõe sobre a responsabilização administrativa de pessoas jurídicas pela prática de atos contra a administração pública, nacional ou estrangeira e dá outras providências. Brasília: Presidência da República, 2015. Disponível em: https://bit.ly/2XQsHVb. Acesso em: 7 jan. 2021.

BRASIL. Lei nº 6.385, de 7 de dezembro de 1976. Dispõe sobre o mercado de valores mobiliários e cria a Comissão de Valores Mobiliários. Brasília: Presidência da República, 1976. Disponível em: https://bit.ly/3O5Whht. Acesso em: 19 fev. 2021.

BRASIL. Lei nº 8.884, de 11 de junho de 1994. Transforma o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) em Autarquia, dispõe sobre a prevenção e a repressão às infrações contra a ordem econômica e dá outras providências. Brasília: Presidência da República, 1994. Disponível em: https://bit.ly/2Ms7GK0. Acesso em: 18 mar. 2021.

BRASIL. Lei nº 10.149, de 21 de dezembro de 2000. Altera e acrescenta dispositivos à Lei no 8.884, de 11 de junho de 1994, que transforma o Conselho Administrativo de Defesa Econômica – Cade em autarquia, dispõe sobre a prevenção e repressão às infrações contra a ordem econômica, e dá outras providências. Brasília: Presidência da República, 2000. Disponível em: https://bit.ly/3uAMNDa. Acesso em: 23 mar. 2021.

BRASIL. Lei nº 12.529, de 30 de novembro de 2011. Estrutura o Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência; dispõe sobre a prevenção e repressão às infrações contra a ordem econômica; altera a Lei nº 8.137, de 27 de dezembro de 1990, o Decreto-Lei nº 3.689, de 3 de outubro de 1941 - Código de Processo Penal, e a Lei nº 7.347, de 24 de julho de 1985; revoga dispositivos da Lei nº 8.884, de 11 de junho de 1994, e a Lei nº 9.781, de 19 de janeiro de 1999; e dá outras providências. Brasília: Presidência da República, 2011. Disponível em: https://bit.ly/30m27Fi. Acesso em: 12 jan. 2021.

BRASIL. Lei nº 12.846, de 1º de agosto de 2013. Dispõe sobre a responsabilização administrativa e civil de pessoas jurídicas pela prática de atos contra a administração pública, nacional ou estrangeira, e dá outras providências. Brasília: Presidência da República, 2013. Disponível em: https://bit.ly/3jt55Qr. Acesso em: 7 jan. 2021.

COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS (CVM). Regulação do mercado de valores mobiliários: fundamentos e princípios. Rio de Janeiro: CVM, 1978. Disponível em: https://bit.ly/3E4lc0w. Acesso em: 7 jan. 2020.

COMPARATO, Fábio Konder; SALOMÃO FILHO, Calixto. O poder de controle nas sociedades anônimas. 5. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2008.

CUEVA, Ricardo Villas Bôas. Funções e Finalidades dos Programas de Compliance. In: CUEVA, Ricardo Villas Bôas; FRAZÃO, Ana (coord.). Compliance: perspectivas e desafios dos programas de conformidade. Belo Horizonte: Fórum, 2018.

CUEVA, Ricardo Villas Bôas; FRAZÃO, Ana (coord.). Compliance: perspectivas e desafios dos programas de conformidade. Belo Horizonte: Fórum, 2018.

DONAGGIO, Ângela Rita Franco. Regulação e Autorregulação no Mercado de Valores Mobiliários: ocaso dos segmentos especiais de listagem da BM&FBovespa. 2016. Tese (Doutorado em Direito) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016. Disponível em: https://bit.ly/3JASYeV. Acesso em: 13 mar. 2021.

EPSTEIN, Lee; KING, Gary. Pesquisa Empírica em Direito: As Regras de Inferência. São Paulo: Direito GV, 2013. (Coleção Acadêmica Livre).

FORGIONI, Paula Andrea. Os fundamentos do antitruste. 8. ed.rev. atual. ampl. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2015.

FRAZÃO, Ana. Direito da Concorrência. São Paulo: Saraiva, 2013.

LUCENA FILHO, Humberto Lima de. Ordem Econômica e Dumping Social: Possibilidade de Análise pelo Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência. In: LUCENA FILHO, Humberto Lima de. A Função Concorrencial do Direito do Trabalho. São Paulo: LTr, 2016.

MISSALI, Guilherme Teno Castilho. Programa de Compliance Antitruste: a hora e a vez de repensá-lo no ordenamento concorrencial brasileiro. Revista de Defesa da Concorrência, v. 3, n. 1, 2015. Disponível em: https://bit.ly/3juXNvH. Acesso em: 11 jan. 2021.

PINHEIRO, Caroline da Rosa; ALVES, Alexandre F. de Assumpção. O Papel da CVM e da B3 na Implementação e Delimitação do Programa de Integridade (Compliance) No Brasil. Revista Brasileira de Direito Empresarial, Florianópolis, v. 3, n. 1, 2017. Disponível em: http://dx.doi.org/10.26668/IndexLawJournals/2526-0235/2017.v3i1.1928. Acesso em: 12 fev. 2021.

RIBAS, Guilherme Favaro Corvo. Programas de Compliance Antitruste. In: ZANOTTA, Pedro; BRANCHER, Paulo (org.). Desafios Atuais do Direito da Concorrência. São Paulo: Singular, 2008.

RILEY, Anne; SOKOL, D. Daniel. Rethinking Compliance. Journal of Antitrust Enforcement, [S. l.], v. 3, n. 1, 2015. Disponível em: https://doi.org/10.1093/jaenfo/jnu011. Acesso em: 23 mar. 2021.

SIEBER, Ulrich. Programas de “compliance” en el derecho penal de la empresa: Una nueva concepción para controlar la criminalidad económica. In: ZAPATERO; Luis Arroyo; MARTÍN NIETO, Adán (dir.). El Derecho Penal en la Era Compliance. Valencia: Tirant lo branch, 2013. p. 63-71.

SNYDER, Brent. Compliance is a culture, not just a policy. Nova Iorque: Department Of Justice, 2014. Disponível em: https://bit.ly/3E6YR2h. Acesso em: 23 fev. 2021.

TEUBNER, Gunther. Politics, Governance, and the Law Transnational Economic Constitutionalism in the Varieties of Capitalism. Global Perspectives. University of California Press, 2019.

WALD, Arnoldo. O governo das empresas. Revista de Direito Bancário, do Mercado de Capitais e da Arbitragem, São Paulo, v. 5, n.15, 2002.